Projeto visa saltos de competitividade para a cultura do dendê no Brasil

O Brasil possui a maior área mundial potencial adequada para produção de dendê, ocupando a 15ª posição. Atualmente, a Malásia e a Indonésia lideram este ranking, como maiores produtores mundiais. Para impulsionar o desenvolvimento desta cultura, será lançado o projeto “Dinamização do banco ativo de germoplasma de dendê (Elaeis guineensis) da Embrapa e apoio ao melhoramento genético - PRODENDÊ”, no dia 22, na Embrapa Agroenergia (Brasília/DF).

Durante os três anos de execução (2009 - 2011), serão desenvolvidas ações relacionadas ao melhoramento genético do dendezeiro e caiaué, genômica, biologia celular e etiologia do amarelecimento fatal (AF), nas regiões norte e centro-oeste do país.

O projeto financiado pela Finep e coordenado pela Embrapa Agroenergia, será desenvolvido em rede, com as unidades da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Embrapa Amazônia Oriental, Embrapa Amazônia Ocidental, com as universidades Católica e Federal de Brasília e com o Instituto de Biologia da Unicamp.

O desenvolvimento de tecnologias a partir dos resultados obtidos neste projeto poderá manter o Brasil em posição de destaque no agronegócio do dendê. “O PRODENDÊ poderá impulsionar o desenvolvimento desta oleaginosa no país. Além disso, irá gerar produtos que deverão beneficiar diretamente a indústria e sistemas de produção associado ao setor”, assegura o Chefe-geral da Embrapa Agroenergia, Frederico Durães.

Alcançadas as metas da proposta, salienta Durães, espera-se obter cultivares de dendezeiro mais produtivos, genes e marcadores moleculares que poderão ser patenteados e avaliados na própria cultura. “Há uma grande expectativa no êxito deste projeto por conta da interação entre o grupo participante e instituições de ensino superior, na formação de recursos humanos capacitados para criação e uso de novas técnicas biotecnológicas”, completa o coordenador.

Dendê
O dendezeiro é a oleaginosa de maior produtividade. No Pará, as melhores plantações têm atingido seis toneladas de óleo/ha/ano. O óleo é utilizado na indústria de alimentos, farmacêutica e química, considerado um dos melhores óleos para produção de biodiesel.

O histórico da pesquisa
O dendê é indicado como uma das principais alternativas para agricultura sustentável e recuperação de áreas degradadas na Amazônia. Até o início da década de 90, a dendeicultura brasileira dependia de sementes importadas, o que levou a Embrapa a desenvolver um programa de pesquisas visando à geração de tecnologias para a expansão sustentável desta cultura. Para atender a necessidade de sementes de alta qualidade, foi iniciado em 1982, um programa de melhoramento do dendezeiro estabelecendo bancos de germoplasma (BAG) da espécie africana Elaeis guineensis (dendê) e da americana Elaeis oleifera (caiaué). O pesquisador da Embrapa Agroenergia e coordenador do PRODENDÊ, Hugo Molinari, destaca que a exploração do germoplasma disponível possibilitará o desenvolvimento de cultivares mais produtivas, resistentes a pragas e doenças e com menor crecimento vertical do caule, aumento a rentabilidade e a segurança da dendeicultura brasileira.

 


Embrapa Agroenergia