PAGANDO O PATO
No Rio de Janeiro, uma clínica oftalmológica, especializada em transplante de córnea, voltou a realizar seu serviço após um ano de inatividade, porque os recursos destinados pelo SUS tinham sido surrupiados pelos dirigentes da instituição.Este é o retrato do Brasil de hoje, completamente dominado pela corrupção e pela impunidade. O engraçado é que quem paga o pato é a sociedade. Essa gente, que rouba o dinheiro da saúde, antes impensável mesmo para o padrão brasileiro, geralmente é protegida de político influente, por isso fica impune. Aí aparece o governo federal, arrogante, hipócrita e falso moralista, suspende a grana do hospital e pune o cidadão, que afinal não tem nenhuma culpa no processo, privando-o do serviço.Aqui no Amapá não é diferente. A obra do Aeroporto de Macapá, por exemplo, se arrasta há anos sem solução, por envolver desvio de recursos e gente graúda, segundo relatório do TCU, mas que, segundo se comenta, não pode ser penalizada. Mais uma vez o contribuinte paga o pato.

AS NOIVAS DE SARNEY
A esperteza é uma das marcas do maranhense Sarney. Mestre em “alquimia” política, já trabalha uma solução para o “bode” que vai ser a escolha do candidato da “harmonia” para aquela que já é considerada a guerra do fim do mundo, em 2010.

Escolher entre Jorge Amanajas (PSDB), o todo poderoso presidente da AL e Pedro Paulo Dias (PP), Vice-governador e herdeiro da caneta de Waldez, já era um senhor abacaxi, com a entrada de Lucas Barreto (PTB) na disputa o bicho vai pegar.

Alguém me falou da declarada simpatia de Sarney por Pedro Paulo, impressionado com a sua performance nas eleições municipais, quando deu um banho no Governador Waldez na construção de uma base eleitoral forte para disputar as eleições de 2010.

Acostumado ao malabarismo político do cacique maranhense, posso intuir que essa simpatia, na verdade, não é sincera. É só um desses factóides criados para ludibriar mentes incautas e servir a interesses inconfessáveis.
Senão vejamos: Pedro Paulo é o único candidato da corte sobre quem Sarney não tem controle efetivo, apesar dos problemas do irmão Benedito Dias e que pode aliar-se a oposição com vantagem para ambos. Isso transforma a declaração de Sarney, se verdadeira, num ato de esperteza, típico do “coronel” e visa anular a chance que existe, como tudo mais em política.

Na verdade seu candidato atende por Lucas Barreto, sentimento que não pode expressar pelo risco de quebrar a ”harmonia” que sustenta o sistema anti-PSB. Jorge Amanajas, nessas alturas, faz o papel da noiva enjeitada, apesar do apoio de Waldez Góes e Roberto Goés, que de nada vale diante da preferência e vontade de Sarney. Sebastião Bala Rocha sabe do que estou falando.

No jogo da política local só não escala mesmo o time da oposição. Vai ser como tem sido nas últimas eleições, como na recente que Roberto se salvou por puro milagre do ataque de Lucas Barreto, que já tinha a preferência do homem, de quem é assessor, segundo se comenta. E considere que o candidato tinha um senhor apoio.Sempre vai contar, no fim, a obsessão de Sarney em banir a liderança de Capiberibe no Amapá. Um troco pelo Maranhão perdido. Por isso fará tudo para evitar a aliança do PP com o PSB. A sutileza, ou a falta dela, está na declaração do apoio a Pedro Paulo Dias, por quem não morre de amores, como faz com os Borges,Papaleo, Lucas, Alcolumbres, Waldez e políticos do baixo clero, que não perdem uma sessão do beija pé quando aqui aporta..

Essa declarada opção, portanto, não passa de brincadeira do “faz de conta”. E depois todo mundo sabe que, vencida as convenções, isolados os socialistas, o objetivo maior da manobra, aparecerá com “aquela” pesquisa manjada que apontará Lucas Barreto como melhor opção. Quem duvidar verá.

PARA YASHÁ GALLAZZI
Não vi no seu texto, jovem Yashá, qualquer ofensa ao TRE e seus membros, como dá entender a interpelação do Presidente daquela Corte. Deve ter pensado: já que ninguém fiscaliza o que tem que fiscalizar, cabe-nos fazê-lo ou cobrar de quem de direito, enquanto cidadãos, como fez você.Quanto ao objeto da crítica quero dizer que não foi só você quem reclamou da inoperância da justiça, notadamente no segundo turno. O conhecimento das irregularidades criaram protestos, a maioria inaudíveis como prefere o sistema, e manifestações de desagrado e desaprovação em vários segmentos da sociedade, tão flagrantes foram. Não se argüi aqui, nem você teve essa intenção, a conivência do TRE com os fatos denunciados, mas o sentimento de impotência e incapacidade de promover o equilíbrio do pleito, segundo preconiza a lei, declarado inclusive por seus membros, que acabam permitindo ilações dessa natureza.Acho que a discordância está por conta do foco e do ângulo que os fatos se dão e são analisados. É difícil o magistrado ver as coisas segundo a ótica do cidadão comum, como nós, pois seus conceitos estão assentados em dogmas pétreos e calcado no “princípio subjetivo” da autoridade intocável, algo da cultura jurídica brasileira, que nada tem a ver com o direito universal dos homens, que nos torna iguais perante a lei.Salvo engano o Brasil vive a plenitude do Estado de Direito que subentende estarmos garantidos, você, eu e a sociedade, pelas leis do país que entre tantas garantias nos permite cobrar das instituições e autoridades o cumprimento das leis, normas, preceitos e que enxerguem as coisas com o mesmo olhar crítico da sociedade, afinal vivermos no mesmo lugar e. país.A Lei que nos rege, Yashá, não pode se sujeitar aos arroubos e idiossincrasias de quem aplica, nem tão pouco deve ser usada para impedir a livre manifestação, seja lá de quem for. Até aceito ser difícil controlar uma eleição no Brasil, em particular aqui, onde prevalece o interesse do poder ,da turma da grana e de políticos desprovidos de ética e do sentido do Estado, mas as instituições existem para isso, para impedir tal coisa, daí a nossa frustração. Na constituição americana o direito de espernear, de discordar, de opinar, o livre pensar é garantido pela quinta emenda, como algo sagrado e inalienável.

Da mesma forma que a Constituição Brasileira no seu artigo 5°, inciso IX.Imagino que sua indignação está ancorada no número de queixas ao telefone, apelidado de “fiscal da democracia” pelo bem intencionado juiz Marconi Pimenta e as inúmeras ações ajuizadas contra o vencedor, que permite uma noção clara da podridão do sistema eleitoral brasileiro.Por elas constata-se, de plano, sem nenhum demérito, que o TRE foi incapaz de conter a enxurrada de ilícitos que foi a marca dessa eleição, daí a sua procedente cobrança, a mesma de inúmeras pessoas comuns da sociedade, que não o faz pelo medo congênito que tem do judiciário, quando não deveria. Para que não se duvide de sua intenção e queiram desqualificar sua manifestação, fique claro que você sequer é um “amarelo”, segundo me consta. Você é só um cidadão esclarecido.

PELA ESQUERDA FESTIVA

No Brasil, e em qualquer lugar do planeta, quem lutou contra o regime militar, que usurpou o poder por mais de duas décadas, arriscou sua vida e da família em defesa da democracia e contra a tirania que torturou, exilou e matou inúmeros brasileiros, tem mais que buscar na justiça a merecida e justa reparação. Inclusive pecuniária. O Brasil, por sinal, é um dos poucos países da latino-america, vitima de golpes militares chancelados pelos Estados Unidos da América, que hesita punir torturadores e criminosos que tiraram a vida de pessoas como Fiel Filho, Wladimir Herzog, Edson Luiz de Lima e tantos outros.O ex-Senador Capiberibe está certíssimo no seu pleito. Sua luta garantiu a estéril sobrevida da “esquerda festiva”, revolucionários do ócio e do gogó, que gastavam seu tempo dançando rock n’roll, cantando versões americanas, ouvindo canções de protesto, conversando abobrinhas nos botecos, enquanto outros, como ele e Janete, davam seu sangue, suor e lágrimas, para garantir esse laissez fair inconseqüente. É justo, muito justo.O resto é apelação barata. É despeito e raiva de quem não conseguiu construir nada dignificante ao seu redor. O dinheiro que faz falta a população é o que paga a mídia imbecilizada capaz de tudo, inclusive distorcer a história do país e das pessoas e o da saúde, que deixa milhares de usuários sem a devida assistência médica, não o que repara injustiças cometidas em nome do Estado.

POUCAS & BOAS - Um primor de texto de João Silva no artigo “A estupidez de um Senador”. Perfeito! Uma lição de cidadania e auto-respeito. Reduziu Gilvan a sua absoluta insignificância. Como litisconsorte dessa ofensa sinto-me absolutamente contemplado+++ Àqueles que insistem em falar que não devemos confrontar o sistema, costumo responder que quem não deve confrontar com a sociedade é o Sistema. Nem com a sociedde nem com ninguém. O Sistema foi concebido pra servir o país e os cidadãos, não para intimidá-los+++ Os empreendimentos do empresário Jaime Nunes caminham de vento em popa. São três frentes de grande porte. Dois na área comercial e outro na zona norte, em parceria com a Nutriama de Adiomar Veronese, um hipermercado+++ Grandes empreendedores que estão sempre com os olhos focados no futuro+++ Ganha o Estado+++ Aliás o comércio é o setor da economia que mais cresce no Amapá. Outro grande empreendimento à vista é o da Monte em parceria com os Rocha do Fortaleza, na Zona Norte.Só que mais acima , nas cercanias do Jardim I +++ Ainda dentro do tema: tudo indica que um dos filhos de Sarney, Fernando, que anda as voltas com a justiça, em liberdade graças salvo conduto do STF, se prepara para desembarcar em Macapá no ramo de shopping+++ É o que dizem , não sei. O que sei que essa notícia causa calafrio na classe política+++ Tentar emparedar um jornalista do naipe de Paulo Silva é tolice e perda de tempo+++ Baixa entre os ypiranguistas e piratistas roxos. Morreu Joaquim Neto, velho militante da crônica esportiva+++ Muito bom e sério o programa Café com Noticia da Márcia e da Girlene na 94 FM. A informação passada com competência, responsabilidade e instigantes entrevistas+++ Falar em entrevistas basta ler as últimas prestadas por Lucas Barreto pra se saber, de verdade, de que lado está e para onde mandou seus votos+++ Para os que não sabem ler as entrelinhas da política, quero dizer que tudo isso, mais outdoor, citações reiteradas, são instrumentos usados para inflar candidato+++ Sinceramente estamos dominados pela breguice. O enjaulamento da OAB é prova disso. Não agride só a estética daquele prédio histórico. Prova que não há segurança na cidade+++ Estou entre os exultantes leitores da VANGUARDA CULTURAL de Aroldo Pedrosa. Exemplo do bom jornalismo contra o lixo editorial que polui a nossa imprensa. Coisa de gente inteligente. Um libelo a verdade dos fatos, um passeio independente pela cultura do Estado e do Brasil+++ Quando alguém me reclamou que Waldez em São Paulo faz check up no Sírio Libanês, por sinal o preferido de Sarney, enquanto a saúde do estado é só um sucatão, digo que está correto em procurar o melhor para si. Errado está o povo que não lhe cobra, aqui, a qualidade de um Sírio Um, o governador , faz porque pode. O outro pode mas não faz. O que fazer então?+++ Fui ver e não gostei. No dia dedicado a consciência negra em que deveria prevalecer a nossa legitima manifestação cultural, marabaixo, batuque e azabumba etc, o que mais rolou foi o brega rasgado. O mesmo que infesta nossas rádios e fonte de renda de “promotores” que não estão nem aí pra gente+++ Uma última para encerrar: no Amapá ter opinião própria e expô-la é um risco e um ato de coragem para poucos. A maioria se vende pelo vício, pelo medo ou por ignorância. Por hoje é só.